Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de agosto de 2016

LETRAS E CANÇÕES - A POESIA NA MPB





BOLA DE MEIA, BOLA DE GUDE -  MILTON  NASCIMENTO













VOA  BICHO   -  MILTON  NASCIMENTO


 


















segunda-feira, 20 de junho de 2016

INSTRUÇÕES PARA A FEITURA DO TRABALHO DE ESTUDO E ANÁLISE DO CONTO O ALIENISTA DE MACHADO DE ASSIS.














- Prezado aluno(a), as questões abaixo se referem ao estudo e análise do conto O Alienista de Machado de Assis.

- Para fazer o trabalho você poderá copiar ou imprimir as perguntas. Não há necessidade de copiar os textos, apenas as perguntas e respostas, ambas completas, contendo todas as opções para as questões de múltipla escolha;

- O trabalho deve ser feito à caneta, com tinta azul ou preta, em papel ofício ou almaço. Não será aceito o trabalho feito em folha de caderno;

- O trabalho deve conter capa, introdução e conclusão;

- O trabalho deverá ser entregue dia 05 de julho de 2016.






- Lembre-se: não é necessário copiar os textos que servem de base para as questões, porém todas as questões devem conter enunciado, pergunta e todas as opções de múltipla escolha completos



Texto referente às questões do número 1 ao número 8.


         As crônicas da vila de Itaguaí: dizem que em tempos remotos vivera ali, nessa vila, um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte, filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil, de Portugal e das Espanhas. Estudara em Coimbra e Pádua. Aos trinta e quatro anos regressou ao Brasil, não podendo El-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra, regendo a universidade, ou em Lisboa, expedindo os negócios da monarquia.

— A ciência, disse ele a Sua Majestade, é o meu emprego único; Itaguaí é o meu universo.

          Dito isto, meteu-se em Itaguaí, e entregou-se de corpo e alma ao estudo da ciência, alternando as curas com as leituras, e demonstrando os teoremas com cataplasmas.                Aos quarenta anos casou com D. Evarista da Costa e Mascarenhas, senhora de vinte e cinco anos, viúva de um juiz-de-fora, e não bonita nem simpática.
           Um dos tios dele, caçador de pacas perante o Eterno, e não menos franco, admirou-se de semelhante escolha e disse-lho. Simão Bacamarte explicou-lhe que D. Evarista reunia condições fisiológicas e anatômicas de primeira ordem, digeria com facilidade, dormia regularmente, tinha bom pulso, e excelente vista; estava assim apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes. Se além dessas prendas, - únicas dignas da preocupação de um sábio, D. Evarista era mal composta de feições, longe de lastimá-lo, agradecia-o a Deus, porquanto não corria o risco de preterir os interesses da ciência na contemplação exclusiva, miúda e vulgar da consorte.
D. Evarista mentiu às esperanças do Dr. Bacamarte, não lhe deu filhos robustos nem mofinos. A índole natural da ciência é a longanimidade; o nosso médico esperou três anos, depois quatro, depois cinco. Ao cabo desse tempo fez um estudo profundo da matéria, releu todos os escritores árabes e outros, que trouxera para Itaguaí, enviou consultas às universidades italianas e alemãs, e acabou por aconselhar à mulher um regímen alimentício especial. A ilustre dama, nutrida exclusivamente com a bela carne de porco de Itaguaí, não atendeu às admoestações do esposo; e à sua resistência, - explicável, mas inqualificável, - devemos a total extinção da dinastia dos Bacamartes.
Mas a ciência tem o inefável dom de curar todas as mágoas; o nosso médico mergulhou inteiramente no estudo e na prática da medicina. Foi então que um dos recantos desta lhe chamou especialmente a atenção, - o recanto psíquico, o exame da patologia cerebral. Não havia na colônia, e ainda no reino, uma só autoridade em semelhante matéria, mal explorada, ou quase inexplorada. Simão Bacamarte compreendeu que a ciência lusitana, e particularmente a brasileira, podia cobrir-se de "louros imarcescíveis", - expressão usada por ele mesmo, mas em um arroubo de intimidade doméstica; exteriormente era modesto, segundo convém aos sabedores.

Machado de Assis. O alienista. São Paulo: Ática, 1982.

O alienista, publicado entre outubro de 1881 e março de 1882, é considerado um dos mais importantes contos de Machado de Assis. A partir da trajetória de Simão Bacamarte, protagonista da estória, Machado constrói um painel da sociedade brasileira de seu tempo, com seus valores, problemas e impasses. 


1) Tomando por base o fragmento selecionado, acima, assinale a opção que melhor exprime a intenção do autor:


a)Valorização da ciência como caminho preferencial para a superação do atraso intelectual do país.

b)Ironia em relação aos critérios utilizados por Simão Bacamarte na escolha de D. Evarista como sua esposa e genitora de seus filhos.

c)Apoio aos postulados do pensamento positivista e da ideologia do progresso defendidos por Simão Bacamarte.

d)Crítica aos hábitos culturais da vila de Itaguaí, em especial à alimentação, fator que contribuía para a dificuldade de D. Evarista em engravidar.

e)Exaltação do papel do médico como referência de desenvolvimento de uma sociedade.



2) Escreva C ou E, conforme as declarações sobre o texto sejam certas ou erradas.

( ) A prática científica implica esforço intelectual e troca de informações.

( ) A dedicação aos estudos e à pesquisa garante a ascensão social dos pobres.

( ) As crônicas de Itaguaí combinam registros históricos com os exageros da memória coletiva.



3) Em relação ao foco narrativo, podemos afirmar que:

a)a narrativa é constantemente interrompida pelos comentários de Simão, o que faz dele o narrador da estória.

b)alternam-se no trecho narradores de primeira e terceira pessoas, prática comum na ficção realista.

c)o narrador é de primeira pessoa, onisciente.

d)o narrador constrói a sua narrativa a partir da leitura dos cronistas de Itaguaí, problematizando a noção de origem e a veracidade dos fatos narrados.


4) No conto O Alienista, o narrador:

a) recria um episódio histórico de Itaguaí com base em relatos.

b) faz crer que a ética profissional impede a prática de fraudes.

c) supõe que as teorias estejam de acordo com os fatos reais.

d) defende as construções retóricas e a eloquência em voga.

e) sustenta a opinião de que a ciência é eterna e estática.


5) Simão Bacamarte classifica de forma radical os pacientes segundo as categorias:

a) alegria / tristeza
b) verdade / mentira
c) sanidade / loucura
d) prazer / sofrimento
e) bondade / maldade


6) O texto nos permite afirmar que:

a)Evarista recusava-se sistematicamente a submeter-se aos tratamentos de fertilidade propostos pelo marido.

b)Evarista não se empenhava no projeto de ter filhos, pois temia que o marido passasse a dedicar somente ao filho o pouco tempo livre de que dispunha.

c)Evarista negou-se a fazer uma dieta alimentícia especial, à base de carne de porco.

d)a devoção ao trabalho ajudou Bacamarte a esquecer um projeto frustrado em sua vida.




7) O texto nos permite afirmar de Simão Bacamarte que:

a)mudou-se para Itaguaí por tratar-se de um lugar no Brasil onde ainda não havia nenhuma autoridade na área da patologia cerebral.

b)casou-se com Evarista aos quarenta anos, embora a achasse miúda e vulgar, pois via a sua falta de atrativos como um aspecto positivo.

c)passou a dedicar-se especificamente ao estudo das doenças mentais somente alguns anos depois de seu regresso a Itaguaí.

d)era dado a arroubos e explosões de temperamento no cenário doméstico, embora se mostrasse diferente em sua vida pública.



(...) D. Evarista era mal composta de feições, longe de lastimá-lo, agradecia-o a Deus, porquanto não corria o risco de preterir os interesses da ciência na contemplação exclusiva, miúda e vulgar da consorte.


8) As expressões abaixo estão dicionarizadas como acepções possíveis para a palavra PRETERIR. Qual delas melhor poderia substituir o verbo no contexto em que é empregado no texto acima?

a) ultrapassar
b) omitir
c) deixar de parte
d) ir além de
e) ser ilegalmente promovido


9) Numere os parênteses de 1 a 5, sequenciando cronologicamente as ações do conto.

(     ) Inquietação popular e revolta dos canjicas.

(     ) Casamento com Evarista e desejo de filhos.

(     ) Retorno ao Brasil e decisão pela psiquiatria.

(     ) Consulta a amigos e decisão de autoconfinamento.

(     ) Inauguração da Casa Verde e primeiros confinamentos.


Leia o texto abaixo:

A notícia dessa aleivosia do ilustre Bacamarte lançou o terror à alma da população. Ninguém queria acabar de crer que, sem motivo, sem inimizade, o alienista trancasse na Casa Verde uma senhora perfeitamente ajuizada, que não tinha outro crime senão o de interceder por um infeliz.
Assis, Machado de. Obra completa. Rio de Janeiro:


10) Fundamentando-se no texto acima, escreva V, para verdadeiro, e F para falso.


(       ) Louco é quem for declarado louco por uma autoridade médica.

(    ) A sabedoria e a ciência são remédios contra a insanidade mental.

(       ) O alienado é um indivíduo que perdeu a consciência de si e da realidade.



11-  O enredo de O alienista conta com a participação de um grande número de personagens. Vamos identificar alguns deles, relacionando a coluna da esquerda com a da direita.

( a ) Crispim Soares      (  ) Barbeiro que liderou a primeira revolta contra o alienista


( b ) Costa                      (  ) Farmacêutico de Itaguaí com                                             quem o alienista troca ideias.


( c ) Mateus                   (  ) Comandante da segunda rebelião, que depôs o líder da primeira.


( d ) Porfírio                   (  ) Homem muito rico que adorava contemplar sua própria casa.


( e ) João Pina               (  ) Rico empobrecido por emprestar dinheiro a todos ...




12 -  Assinale com um V as verdadeiras e com um F as falsa.


a) (      ) Além de focalizar a loucura, O alienista é uma fábula política: o autor fala sobre o poder, a dominação que algumas pessoas exercem sobre outras.

b) (       ) A obra pretende exaltar e promover a cidade de Itaguaí, de onde o autor é natural, e agrada a todos os seus habitantes.

c) (       ) Em O alienista, Machado de Assis antecipa as ideias ,revolucionárias de Freud, que mudou os critérios de análise das perturbações mentais.

d) (       ) Na obra de Machado de Assis não há propriamente mocinhos ou bandidos, mas seres humanos com toda  sua complexidade.



13 - Simão Bacamarte se recolhe à Casa Verde:

a) para alcançar uma cura milagrosa.
b) por reunir em si a ciência e a loucura.
c) porque ameaçava a segurança pública.
d) posto que desconfiava das opiniões alheias.
e) pois contaminaria as pessoas com sua loucura



14 - Em o Alienista, as pessoas eram trancadas na Casa Verde porque:

a- (  ) tinham comportamentos esquisitos.
b- (  ) desrespeitavam a lei e a ordem.
c- (  ) Simão Bacamarte as considerava loucas.
d- (  ) o barbeiro as desprezava.
e- ( ) foram diagnosticadas como loucas por uma junta médica.



15 -  Qual a finalidade da Casa Verde em O Alienista:

a-(  ) promover os estudos dos loucos por Simão Bacamarte.

b- (    ) promover festas para a sociedade nobre itaguaiense.

c- (    ) com fins de preservar a ecologia da região.

d- (    ) monumento histórico de grande valia para a região.

e- (   ) casa onde hospedava o rei quando este vinha passear em Itaguaí.



16 - Ao longo da narrativa, Simão Bacamarte persegue incessantemente um objetivo. Qual é esse objetivo?



17 -  O que significa a expressão "Casa de Orates", no texto? A quem ou a que desejava servir Simão Bacamarte, quando constrói a "Casa Verde" em Itaguaí?





18 - A princípio a inauguração do sanatório é comemorada pela população. Entretanto, as pessoas logo mudam de conduta e se revoltam contra Simão Bacamarte. Por quê?




19 -  Apesar da revolta popular, da troca de governantes, Simão Bacamarte conta sempre com apoio para realizar suas experiências. Quem está constantemente ao lado do alienista? Por quê?



20 - Que papel desempenha o barbeiro na revolta contra o alienista e como ele se comporta ao chegar?




21 - Faça a sua avaliação crítica do livro (máximo de 10 linhas).



Bom trabalho!




Machado de Assis 








terça-feira, 7 de junho de 2016

TREM DE DOIDO - O TREM DA SOLIDÃO COLETIVA







TREM  DE  DOIDO  -  O  TREM  DA  SOLIDÃO  COLETIVA








O “trem de doido” existiu de verdade: ele cruzava o interior do país levando os loucos para o manicômio denominado Colônia, em Barbacena MG., o maior do Brasil – foi o cenário de um terrível genocídio que durou décadas. Mais de 60 mil pessoas morreram ali. Os  loucos desembarcavam nos fundos do hospital, onde o guarda-freios desconectava o último vagão do trem.






O Trem Das 7

Raul Seixas
 



Ói, ói o trem, vem surgindo de trás das montanhas azuis, olha o trem

(...)

Ói, já é vem, fumegando, apitando, chamando os que sabem do trem
Ói, é o trem, não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem

Quem vai chorar, quem vai sorrir ?
Quem vai ficar, quem vai partir ?
Pois o trem está chegando, tá chegando na estação
É o trem das sete horas, é o último do sertão, do sertão

Ói, olhe o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu, não é mais
Vê, ói que céu, é um céu carregado e rajado, suspenso no ar

(...)


Ói, olhe o mal, vem de braços e abraços com o bem num romance astral
















VÍDEO  I  -  HOLOCAUSTO BRASILEIRO - MANICÔMIO DE BARBACENA










TEXTO I - Museu da Loucura é reaberto com objetivo de conscientizar  a sociedade




Após quase dois anos de reforma e revitalização, o Museu da Loucura, em Barbacena, no Campo das Vertentes, foi reaberto em uma data significativa, 18 de maio, quando são celebrados os dias da Luta Antimanicomial e Internacional dos Museus. A instituição é conhecida por abrigar um acervo que conta a história do primeiro hospital psiquiátrico de Minas Gerais.
.


"A importância transcende a questão de memória e de turismo. É um compromisso com a garantia dos direitos humanos através da conscientização das pessoas. É um museu social porque tem um discurso de quebra de preconceitos e de um assunto que é ainda atual, que são as dificuldades relacionadas à área da saúde mental. Queremos fazer as pessoas entenderem que a segregação e separação da sociedade é o problema, e não a doença, que é tratável. Você não pode negar a cidadania de uma pessoa porque ela é doente", explicou Edson Brandão, curador do Museu da Loucura.



O Museu da Loucura completa 20 anos em agosto e estava fechado desde 2014 para as obras de revitalização da estrutura física, do acervo e da exposição permanente. O local reúne textos, fotografias, documentos, objetos, equipamentos e instrumentação cirúrgica, que relatam a história do tratamento do paciente com sofrimento mental.
Edson Brandão ressaltou que a formatação da exposição permanente é simples para destacar a força do que é apresentado aos visitantes.



"Nosso objetivo é tratar de forma crua e com respeito pelas pessoas que viveram e morreram no Hospital Colônia. É um memorial e um ambiente respeitoso às memórias de quem foi submetido a tratamento no local. Uma forma simples, mas bastante eficiente de recuperar e mostrar esta história", afirmou Edson Brandão, curador do Museu da Loucura.





http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2016/05/museu-da-loucura-e-reaberto-com-objetivo-de-conscientizar-sociedade.html





Conheça a macabra história do prédio mineiro onde funcionou o maior hospício do Brasil.








TEXTO II - O que é loucura?











O que é loucura? 

A própria palavra loucura é de difícil conceituação.


Loucura e distúrbio mental, hoje em dia, não são sinônimos e precisam ser entendidos como coisas diferentes.



O que é loucura? Esta frase poderia ser exemplificada pelo julgamento de Sócrates, o famoso filósofo, pois ele preferiu ser encarado como louco e criminoso a trair as suas ideias. Um contra exemplo seria o julgamento de Galileu que para se salvar da fogueira negou as suas teorias, tomando-as como loucuras sem valor.


A sociedade impõe regras de convivências e padrões de condutas, que são seguidos por uma grande maioria, aqueles que se negam a seguir as regras padrões sociais e transpõem as marcas do socialmente aceito, são interpretados como loucos. Os desviantes da regras ditas como "normais" são vistos como indivíduos sem condição de viver em sociedade, discriminados, são internados em manicômios ou presídios. 


O que nos diferencia dos loucos e dos criminosos é apenas a percepção dos limites, pois capacidades e desejos “insanos” e “criminosos” são uma constante na vida de boa parte das pessoas. Observe com senso crítico o comportamento geral das pessoas a partir das notícias de jornais.




Estado natural

Popularmente há uma tendência em se julgar a sanidade da pessoa de acordo com seu comportamento ou com sua adequação às "conveniências" socioculturais como, por exemplo, a obediência aos familiares, o sucesso no sistema de produção capitalista ou a postura sexual burguesa uniformizante que reduz a sexualidade, algo tão variável, tão complexo e abstrato à um único modelo alienante. A natureza é muito mais variável e inesperada do que pode supor nossos modelos enrijecidos e milenares. 


Loucura e distúrbio mental, hoje em dia, não são sinônimos e precisam ser entendidos como coisas diferentes.

O psiquiatra e psicoterapeuta Paulo Urban explica que nem sempre a loucura pode ser associada a uma doença. Às vezes, ela é só um atributo da psique. “A loucura é associada ao transe, ao comportamento desviante. Isso pode se manifestar como genialidade ou como uma negação de normas que faz o louco ser, às vezes, até melhor adaptado do que uma pessoa dita ‘normal’. Já as doenças mentais são um quadro grave e pedem tratamento. A loucura, em muitos sentidos, pode ser um estado natural positivo”, diz o médico. 



Na Antiguidade

Na Antiguidade, a loucura era considerada uma manifestação divina. A epilepsia era conhecida como “a doença sagrada” e significava maus presságios. Se uma pessoa sofresse um ataque epiléptico durante uma palestra, por exemplo, o evento era interpretado como uma intervenção dos deuses. Era um sinal de que não se deveria acreditar no que dizia o orador.




Na Idade Média


Na Idade Média, no entanto, algumas cidades entregavam os loucos para os mercadores. Havia barcos que os levavam de uma cidade para outra, onde vagavam perdidos . Era comum ver na Europa embarcações  de loucos atracarem em seus portos. Muitos outros, porém, acabavam acorrentados, demonizados, exorcizados ou queimados.

Uma das razões para isso é que a mentalidade  na Idade Média associava a loucura à possessão diabólica. E embora essa forma de pensar tenha raízes na própria formação doutrinária do cristianismo, o raciocínio acabou funcionando como uma desculpa religiosa para a repressão às heresias ou um recurso para impor a ortodoxia teológica e moral da época.

Assim como a ideia da loucura mudou com as épocas, existem também variações culturais. 


O que nós caracterizamos como loucura pode não ser para um outro grupo. A noção de loucura é diversificada e relativa, uma vez que cada grupo, cada cultura, cada época tem uma linguagem particular para defini-la, e essas diversas linguagens implicam também práticas diversas. Enquanto em algumas regiões o louco participa do convívio familiar, dependendo do nível de evolução e cultura, em outras o paciente é isolado, discriminado, agredido, tratado como bicho. Há aqueles que, ao depararem com esses problemas, buscam soluções na religião. Outros procuram a intervenção médica ou psicológica.




À mercê da moral

Essas diferentes posturas em relação à loucura mostram que, ao longo da história, o juízo de valor e "modelo de comportamento" de cada época e lugar foi o que serviu de parâmetro para medir o que é, ou não, normalidade. 


"Seja movido pela cultura ou por interesses mercadológicos – que é o que faz, hoje, a indústria farmacêutica ao criar medicamentos para doenças que nem existem -, um discurso padronizante sempre vence. É a ação do dominante sobre o dominado. A classificação e marginalização de algumas posturas como doenças vem, muitas vezes, do preconceito contra o que é ainda desconhecido”, afirma o psiquiatra Paulo Urban.



Loucura e distúrbio mental, hoje em dia, não são sinônimos e precisam ser entendidos como coisas diferentes.



Mais recentemente, as pesquisas começaram a apontar para causas bioquímicas das doenças mentais. A relação observada entre doenças orgânicas e mentais levantou a lebre para a existência de razões bioquímicas para distúrbios psiquiátricos, o que despertou um grande interesse pelas bases neuronais do comportamento humano. Graças a isso, as descobertas avançaram. Hoje, sabe-se o papel dos neurotransmissores e entende-se sua importância nas alterações de humor. Mas o Enigma persiste!



A neurociência ainda não é capaz de dar respostas completas sobre a causa de todos os transtornos. Há outras doenças cujas causas orgânicas permanecem obscurecidas em alguns pontos. “Pacientes com psicose, por exemplo, não apresentam nenhuma alteração biológica. Anatomicamente, seu cérebro também é perfeitamente saudável”, diz Urban. “A neurociência é avançada tecnicamente, mas não é suficiente. Por isso, não pode ser considerada o único discurso da verdade.” 



Só somos sábios para o ontem! 

















Nos indivíduos, a loucura é algo raro - mas nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas, é regra.

Friedrich Nietzsche





Eu consigo calcular o movimento dos corpos celestiais, mas não a loucura das pessoas.

Isaac Newton





A loucura é o sonho de uma única pessoa. A razão, é sem dúvida, a loucura de todos.

André Suarés








Texto III -    GRAVURAS E LEGENDAS 



Conheça a macabra história do prédio mineiro onde funcionou o maior hospício do Brasil. Um acontecimento histórico que marcou uma época e inspirou jornalistas, escritores, artistas e cineastas.




Gravura A



Um dos capítulos mais obscuros na história da medicina no Brasil aconteceu no Hospital Colônia de Barbacena, em Minas Gerais, maior hospício que o país já teve. Durante décadas (entre 1930 e 1980), mais de 60 mil pessoas foram torturadas, violentadas e mortas no local. 






Gravura B



De acordo com uma antiga funcionária, Francisca, ela presenciou muitas sessões de tortura e até a morte de um paciente após ele receber um choque elétrico. O sonho da auxiliar de cozinha era ser enfermeira, mas o testemunho de tanta crueldade fez com que ela desistisse da carreira.




Gravura C



Um detalhe curioso é que a grande maioria dos internos sequer tinha diagnóstico de doença mental, tratava-se apenas de seres humanos que não se encaixavam nos modelos e padrões sociais da época, nem todos possuíam laudo médico que atestasse loucura de fato, muitos eram, na verdade, epiléticos, mendigos, negros, alcoólatras, homossexuais, garotas que engravidavam antes do casamento e que a família, por vergonha, enviava para o Hospital Colônia de Barbacena. De certa forma, eram pessoas que  "incomodavam"  a  sociedade puritana. 




Gravura D









Gravura E




Luiz Alfredo – Repórter fotográfico da Revista O Cruzeiro que na época usou sua fotografia para denunciar os horrores do manicômio.






Gravura F



O evento conhecido como Holocausto Brasileiro, diz respeito às atrocidades cometidas por um hospital psiquiátrico (que ficou conhecido como “Colônia”) responsável pela morte de mais de 60 mil pessoas, portadoras ou não de deficiência mental.







Gravura G









Gravura H











Gravura I



Durante décadas, milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental, num enorme hospício na cidade de Barbacena, em Minas Gerais. Ali foram torturados, violentados e mortos sem que ninguém se importasse com seu destino. Eram simplesmente epilépticos, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento, homossexuais, filhos mal comportados, prostitutas, alcoólatras, enfim, quaisquer pessoas que não se enquadravam nas normas de "boa conduta" social da época.









Gravura J













Gravura K




Livro Holocausto brasileiro
Autora: Daniela Arbex
Gênero: Reportagem
Selo: Geração



Tais fatos foram narrados e revelados no livro-reportagem “Holocausto Brasileiro: vida, genocídio e 60 mil mortes no maior hospício do Brasil”, escrito pela jornalista Daniela Arbex e lançado em 2013 pela Geração Editorial.



UM PUNGENTE RETRATO DE  ABANDONO E HORROR




Neste livro-reportagem, fundamental, a premiada jornalista Daniela Arbex resgata do esquecimento um dos capítulos mais macabros da nossa história: a barbárie e a  desumanidade praticadas, durante a maior parte do século XX, no maior hospício do Brasil, conhecido por Colônia, situado na cidade mineira de Barbacena. Ao fazê-lo, a autora traz à luz um genocídio cometido, sistematicamente, pelo Estado brasileiro, com a conivência de médicos, funcionários e também da população, pois nenhuma violação dos direitos humanos mais básicos se sustenta por tanto tempo sem a omissão da sociedade.




Gravura L



O objetivo do livro é fazer com que os brasileiros fiquem cientes do que aconteceu na época. Sem nenhuma forma de censura, mostra exatamente a classificação de “indesejado social”, estigma criado pelos governantes e pela população.







Gravura M





Ninguém ouvia seus gritos. Jornalistas famosos, nos anos 60 e 70, fizeram reportagens denunciando os maus tratos. Nenhum deles — como faz agora Daniela Arbex — conseguiu contar a história completa. O que se praticou no Hospício de Barbacena foium genocídio, com 60 mil mortes. Um holocausto praticado pelo Estado, com a conivência de médicos, padres, familiares, funcionários e da população.





Gravura N










Gravura O






Gravura P





Gravura Q





Quando chegavam ao hospício, suas cabeças eram raspadas, suas roupas arrancadas e seus nomes descartados pelos funcionários, que os rebatizavam. Daniela Arbex devolve nome, história e identidade aos pacientes, verdadeiros sobreviventes de um holocausto, como Maria de Jesus, internada porque se sentia triste, ou Antônio Gomes da Silva, sem diagnóstico, que, dos 34 anos de internação, ficou mudo durante 21 anos porque ninguém se lembrou de perguntar se ele falava.






Gravura R





Os pacientes da Colônia às vezes comiam ratos, bebiam água do esgoto ou urina, dormiam sobre capim, eram espancados e violados. Nas noites geladas da Serra da Mantiqueira, eram deixados ao relento, nus ou cobertos apenas por trapos. Pelo menos 30 bebês foram roubados de suas mães. As pacientes conseguiam proteger sua gravidez passando fezes sobre a barriga para não serem tocadas. Mas, logo depois do parto, os bebês eram tirados de seus braços e doados.






Gravura S



Alguns morriam de frio, fome e doença. Morriam também de choque. Às vezes os eletrochoques eram tantos e tão fortes, que a sobrecarga derrubava a rede do município. Nos períodos de maior lotação, 16 pessoas morriam a cada dia. Ao morrer, davam lucro. Entre 1969 e 1980, 1.853 corpos de pacientes do manicômio foram vendidos para 17 faculdades de medicina do país, sem que ninguém questionasse. Quando houve excesso de cadáveres e o mercado encolheu, os corpos foram decompostos em ácido, no pátio da Colônia, diante dos pacientes, para que as ossadas pudessem ser comercializadas. Nada se perdia, exceto a vida.




Gravura T



No início dos anos 60, depois de conhecer a Colônia, o fotógrafo Luiz Alfredo, da revista O Cruzeiro, desabafou com o chefe: “Aquilo é um assassinato em massa”. Em 1979, o psiquiatra italiano Franco Basaglia, pioneiro da luta pelo fim dos manicômios que também visitou a Colônia, declarou numa coletiva de imprensa: “Estive hoje num campo de concentração nazista. Em lugar nenhum do mundo, presenciei uma tragédia como essa”.




Gravura U







De 1950 a 1980, doentes mentais e pessoas saudáveis foram torturadas e mortas dentro do hospital psiquiátrico e, até hoje, as denúncias de maus-tratos não foram investigadas e não há punidos.


Na época em que o manicômio funcionava, os pacientes eram enviados para lá de trem e sem sequer tomarem conhecimento do motivo e das sessões de terror a que seriam submetidas ao passarem da portaria.





Gravura V



O desembarque dos pacientes era feito nos fundos do manicômio e, em seguida, todos tinham que entregar os documentos e pertences. Além disso, eles eram obrigados a vestir uniformes, tinham a cabeça raspada e tomavam banho gelado. Tratamento muito parecido com os campos de concentração nos tempos de guerra.





Gravura W






Gravura X



O Hospital Colônia era uma espécie de depósito de lixo humano, onde os internados perdiam a identidade e a dignidade. Em torno de 60 mil pacientes que viviam em condições sub-humanas no maior hospício do Brasil morreram. Os pacientes dormiam amontoados no chão, que apenas era forrado com capim. Eles também eram trancados, castigados e chegaram a testemunhar alguns corpos de colegas serem queimados em tanques de combustíveis.







Gravura Y



Entre os medicamentos usados no tratamento dos doentes mentais existia o chá da meia noite, que era uma espécie de injeção letal. Quando os pacientes morriam e a família não reivindicava o corpo, eles eram doados ou vendidos para faculdades. Ao todo, 1853 cadáveres forram entregues para 17 universidades.







Gravura Z



Entre os pacientes, também havia crianças. Os casos de tortura chegou a ser noticiado pela imprensa, depois que um diretor denunciou as sessões de horror e foi “convidado” a pedir demissão. Indignado, o funcionário chamou a imprensa. Muitas crianças nasceram no hospício e foram arrancadas das mães e levadas para creches e orfanatos.



A internação dos pacientes era feita a mando de autoridades locais, como delegados, prefeitos, vereadores e padres, além de familiares. Normalmente, os mandados para o manicômio eram pessoas que perderam os documentos, mães solteiras, mulheres que perderam a virgindade antes do casamento.















Vídeo II -   HOLOCAUSTO BRASILEIRO - BOOK  TRAILER DO LIVRO DE DANIELA  ARBEX


 












Vídeo III  -  Os Horrores de Barbacena

 








Texto IV - Declarações feitas no youtube por diversos internautas:



Anderson Rafaelmt: 

Moro em barbacena, sabia de um pouco da história, so que nunca imaginei ser tão macabra e desumana. Aqui na minha cidade Barbacena-MG tem um museu hoje em dia que tem o nome de "Museu da Loucura". Neste museu existem aparelhos que eram usados para torturas dos pacientes, jaulas e grades. Só de olhar da calafrio, devia sim ter uma adaptação para o cinema !

Esse horror ainda assombra a nossa cidade a maldade foi muito grande, e há uma carga negativa que paira no ar por causa desse acontecido.



rferreira: 

Muitos que participaram disso , e podiam fazer algo, não fizeram, hoje estão aposentados do estado , curtindo as benesses do trabalho sujo ,lembro me até hoje das festas juninas que eram realizadas no campo de futebol da fhemig, com o sr manél, quando criança íamos para um local perto do campo de concentração colônia ,só para ficarmos lá do alto vendo as pessoas amontoadas no pátio e peladas ,triste diversão de crianças inocentes , conheço o que era  aquilo de perto e de experiência pessoal .




rferreira:

Quem se atreve a dizer quem eram os compradores dos cadáveres , quais serão as faculdades de medicina?




Rogério Santos: 

A foto da entrada da Colônia é muitíssimo parecida com a foto da entrada do campo de concentração de Auschwitz.




APARECIDA DOS SANTOS:

Nasci  na cidade de Barbacena , cheguei a conhecer o local, mas algumas alas já havia sido desativadas. Mas nas estradas próximo à colônia, como era conhecida, encontravam-se com muitos pessoas vagando sem destino. Como Eu era pequena às vezes ficava com muito medo. Mas Eles, coitados, não faziam nada com as pessoas.
Este livro com esse relatos verídicos, olha, daria um excelente filme a estatueta de ouro. 




João Paulo Almeida: 

Assim age a sociedade em relação ao diferente: patologiza, segrega e estigmatiza. Pena que as pessoas não conheçam esse momento negro de nossa história... se conhecessem, talvez não presenciaríamos tantas tentativas de patologização como as que vemos atualmente em nosso país.



Maria Jose Cunha:

Meu nome é Maria Jose Cunha, estou chocada, sou filha de mineiros do norte de Minas Gerais de Januaria e não sabia disso, numa que a  tv que tem tanta fofoca e palhaçadas nunca falaram nada sobre isso, tomara tenha um filme,um documentario ,o qualquer coisa. Essa Daniela Arbex é um ser iluminado que veio pra nos esclarecer essa barbaridade.

 

Juliano Malta: 

Sou natural de Barbacena e tenho que admitir que foi bem assim, muitos de meus parentes são medicos em hospitais psiquiátricos lá. Barbacena nessa época era a cidade polo de venda de cadáveres pra faculdades e os corpos eram desses pacientes.

Quando puderem façam uma visita ao museu da loucura em Barbacena, parece mais um museu de máquinas de tortura.
Daniela Arbex parabéns.



Dan:

Foi esse tipo de mentalidade retrógrada que criou esses "campos de concentração", mas eles estão voltando, os mesmos tipos de cristãos que fizeram o holocausto simplesmente não conseguem parar de matar minorias de todos os tipos. É o que gera o preconceito, a intolerância com as diferenças.




Nicole Leal:

Impressionante e ASSUSTADOR ao mesmo tempo. Deveria virar filme para que todos ( o mundo inteiro ) pudesse ver mais um pedaço de nossa história que estava debaixo de 7 capas, bem escondido, bem enterrado, como muitas dessas almas foram enterradas. Estou até agora sem rumo... sem chão!!! Preciso comprar este livro e criar coragem para ler suas páginas, preciso conhecer esse lado obscuro da nossa história. Parabéns Daniela Arbex. Transforme isso em filme.






Texto V -  O Evento na Literatura 


O conto  “Sorôco, sua mãe, sua filha”, retirado do livro “Primeiras Estórias” (1962), de Guimarães Rosa, fala de um trem com grades na janela que  “ia servir para levar duas mulheres, para longe, para sempre”:  a mãe e a filha de um homem viúvo chamado Sorôco. Ambas com problemas mentais. O “trem de doido” existiu de verdade: ele cruzava o interior do país levando os loucos para o manicômio denominado Colônia, em Barbacena MG., o maior do Brasil – e o cenário de um terrível genocídio que durou décadas. Mais de 60 mil pessoas morreram ali. Os  loucos desembarcavam nos fundos do hospital, onde o guarda-freios desconectava o último vagão.
















Os  loucos desembarcavam nos fundos do hospital, onde o guarda-freios desconectava o último vagão.













Leia abaixo o conto de Guimarães Rosa




Texto VI -   Sorôco, sua mãe, sua filha
                

                                       


AQUELE carro parara na linha de resguardo, desde a véspera, tinha vindo com o expresso do Rio, e estava lá, no desvio de dentro, na esplanada da estação. Não era um vagão comum de passageiros, de primeira, só que mais vistoso, todo novo. A gente reparando, notava as diferenças. Assim repartido em dois, num dos cômodos as janelas sendo de grades, feito as de cadeia, para os presos. A gente sabia que, com pouco, ele ia rodar de volta, atrelado ao expresso dai de baixo, fazendo parte da composição. Ia servir para levar duas mulheres, para longe, para sempre. O trem do sertão passava às 12h45m.

As muitas pessoas já estavam de ajuntamento, em beira do carro, para esperar. As pessoas não queriam poder ficar se entristecendo, conversavam, cada um porfiando no falar com sensatez, como sabendo mais do que os outros a prática do acontecer das coisas. Sempre chegava mais povo - o movimento. Aquilo quase no fim da esplanada, do lado do curral de embarque de bois, antes da guarita do guarda- chaves, perto dos empilhados de lenha. Sorôco ia trazer as duas, conforme. A mãe de Sorôco era de idade, com para mais de uns setenta. A filha, ele só tinha aquela. Sorôco era viúvo. Afora essas, não se conhecia dele o parente nenhum.

A hora era de muito sol - o povo caçava jeito de ficarem debaixo da sombra das árvores de cedro. O carro lembrava um canoão no seco, navio. A gente olhava: nas reluzências do ar, parecia que ele estava torto, que nas pontas se empinava. O borco bojudo do telhadilho dele alumiava em preto. Parecia coisa de invento de muita distância, sem piedade nenhuma, e que a gente não pudesse imaginar direito nem se acostumar de ver, e não sendo de ninguém. Para onde ia, no levar as mulheres, era para um lugar chamado Barbacena, longe. Para o pobre, os lugares são mais longe.

O Agente da estação apareceu, fardado de amarelo, com o livro de capa preta e as bandeirinhas verde e vermelha debaixo do braço. - "Vai ver se botaram água fresca no carro... " - ele mandou. Depois, o guarda-freios andou mexendo nas mangueiras de engate. Alguém deu aviso: "Eles vêm!... " Apontavam, da Rua de Baixo, onde morava Sorôco. Ele era um homenzão, brutalhudo de corpo, com a cara grande, uma barba, fiosa, encardida em amarelo, e uns pés, com alpercatas: as crianças tomavam medo dele; mais, da voz, que era quase pouca, grossa, que em seguida se afinava. Vinham vindo, com o trazer de comitiva.

Aí, paravam. A filha - a moça - tinha pegado a cantar, levantando os braços, a cantiga não vigorava certa, nem no tom nem no se-dizer das palavras - o nenhum. A moça punha os olhos no alto, que nem os santos e os espantados, vinha enfeitada de disparates, num aspecto de admiração. Assim com panos e papéis, de diversas cores, uma carapuça em cima dos espalhados cabelos, e enfunada em tantas roupas ainda de mais misturas, tiras e faixas, dependuradas - virundangas: matéria de maluco. A velha só estava de preto, com um fichu preto, ela batia com a cabeça, nos docementes. Sem tanto que diferentes, elas se assemelhavam.

Sorôco estava dando o braço a elas, uma de cada lado. Em mentira, parecia entrada em igreja, num casório. Era uma tristeza. Parecia enterro. Todos ficavam de parte, a chusma de gente não querendo afirmar as vistas, por causa daqueles transmodos e despropósitos, de fazer risos, e por conta de Sorôco - para não parecer pouco caso. Ele hoje estava calçado de botinas, e de paletó, com chapéu grande, botara sua roupa melhor, os maltrapos. E estava reportado e atalhado, humildoso. Todos diziam a ele seus respeitos, de dó. Ele respondia: - "Deus vos pague essa despesa... "
O que os outros se diziam: que Sorôco tinha tido muita paciência. Sendo que não ia sentir falta dessas transtornadas pobrezinhas, era até um alívio. Isso não tinha cura, elas não iam voltar, nunca mais. De antes, Sorôco agüentara de repassar tantas desgraças, de morar com as duas, pelejava. Dai, com os anos, elas pioraram, ele não dava mais conta, teve de chamar ajuda, que foi preciso. Tiveram que olhar em socorro dele, determinar de dar as providências de mercê. Quem pagava tudo era o Governo, que tinha mandado o carro. Por forma que, por força disso, agora iam remir com as duas, em hospícios. O se seguir.

De repente, a velha se desapareceu do braço de Sorôco, foi se sentar no degrau da escadinha do carro. - "Ela não faz nada, seo Agente... " - a voz de Sorôco estava muito branda: - "Ela não acode, quando a gente chama... " A moça, ai, tornou a cantar, virada para o povo, o ao ar, a cara dela era um repouso estatelado, não queria dar-se em espetáculo, mas representava de outroras grandezas, impossíveis. Mas a gente viu a velha olhar para ela, com um encanto de pressentimento muito antigo - um amor extremoso. E, principiando baixinho, mas depois puxando pela voz, ela pegou a cantar, também, tomando o exemplo, a cantiga mesma da outra, que ninguém não entendia. Agora elas cantavam junto, não paravam de cantar.
Aí que já estava chegando a horinha do trem, tinham de dar fim aos aprestes, fazer as duas entrar para o carro de janelas enxequetadas de grades. Assim, num consumiço, sem despedida nenhuma, que elas nem haviam de poder entender. Nessa diligência, os que iam com elas, por bem-fazer, na viagem comprida, eram o Nenêgo, despachado e animoso, e o José Abençoado, pessoa de muita cautela, estes serviam para ter mão nelas, em toda juntura. E subiam também no carro uns rapazinhos, carregando as trouxas e malas, e as coisas de comer, muitas, que não iam fazer míngua, os embrulhos de pão. Por derradeiro, o Nenêgo ainda se apareceu na plataforma, para os gestos de que tudo ia em ordem. Elas não haviam de dar trabalhos.

Agora, mesmo, a gente só escutava era o acorçôo do canto, das duas, aquela chirimia, que avocava: que era um constado de enormes diversidades desta vida, que podiam doer na gente, sem jurisprudência de motivo nem lugar, nenhum, mas pelo antes, pelo depois.

Sorôco. Tomara aquilo se acabasse. O trem chegando, a máquina manobrando sozinha para vir pegar o carro. O trem apitou, e passou, se foi, o de sempre.
Sorôco não esperou tudo se sumir. Nem olhou. Só ficou de chapéu na mão, mais de barba quadrada, surdo - o que nele mais espantava. O triste do homem, lá, decretado, embargando-se de poder falar algumas suas palavras. Ao sofrer o assim das coisas, ele, no oco sem beiras, debaixo do peso, sem queixa, exemploso. E lhe falaram: - "O mundo está dessa forma... "Todos, no arregalado respeito, tinham as vistas neblinadas. De repente, todos gostavam demais de Sorôco.
Ele se sacudiu, de um jeito arrebentado, desacontecido, e virou, pra ir-s'embora. Estava voltando para casa, como se estivesse indo para longe, fora de conta.
Mas, parou. Em tanto que se esquisitou, parecia que ia perder o de si, parar de ser. Assim num excesso de espírito, fora de sentido. E foi o que não se podia prevenir: quem ia fazer siso naquilo- Num rompido - ele começou a cantar, alteado, forte, mas sozinho para si - e era a cantiga, mesma, de desatino, que as duas tanto tinham cantado. Cantava continuando.

A gente se esfriou, se afundou - um instantâneo. A gente... E foi sem combinação, nem ninguém entendia o que se fizesse: todos, de uma vez, de dó do Sorôco, principiaram também a acompanhar aquele canto sem razão. E com as vozes tão altas! Todos caminhando, com ele, Sorôco, e canta que cantando, atrás dele, os mais de detrás quase que corriam, ninguém deixasse de cantar. Foi o de não sair mais da memória. Foi um caso sem comparação.

A gente estava levando agora o Sorôco para a casa dele, de verdade. A gente, com ele, ia até aonde que ia aquela cantiga.













 O RENOMADO ESCRITOR MINEIRO GUIMARÃES ROSA





Vídeo IV -  Sorôco, sua mãe, sua filha


Assista abaixo a adaptação em vídeo do conto Sorôco, sua mãe, sua filha  - Curta metragem inspirado na obra de Guimarães Rosa 












Pintura: Sorôco, sua mãe, sua filha





Óleo sobre tela - "Sorôco, sua mãe, sua filha" de Alberto Messias Estanislau -  Quadro inspirado na obra de Guimarães Rosa 





Charge -  Do outro lado só tem louco.










Ilustração:  O Alienista - Inspirado na obra de Machado de Assis









Pensamentos de grandes nomes da humanidade de todos os tempos